Células tronco dando origem a células de folículo capilar

Mais uma vez as células-tronco ganham destaque! Os cientistas do Instituto de Pesquisa Médica Sanford-Burnham, em La Jolla, Califórnia mostraram que suas pesquisas com células-tronco, retiradas da pele humana, podem ser usadas para criar novos folículos capilares.

A técnica experimental foi descrita numa pesquisa publicada no jornal cientifico PLOS One. Segundo a pesquisa, existe uma população de células mesenquimais chamada Papila Dérmica (DP) que regula a formação e crescimento do folículo capilar. Durante o desenvolvimento dessas células observa-se que a maioria é derivada do mesoderma, entretanto, células equivalentes a essas da papila dérmica originam-se da crista neural. O estudo direcionou células humanas embrionárias para gerarem as primeiras células da crista neural, em seguida induzí-las a se transformarem em células com o mesmo comportamento das células da papila dérmica (DP-like), uma vez que estas formadas apresentam os mesmos biomarcadores encontrados nas células humanas da papila dérmica. Este tratamento aparece como uma alternativa interessante à doenças com perda capilar. Esse tratamento funcionaria, teoricamente, em homens e mulheres que são completamente calvos, ao contrário do transplante.

Captura de Tela 2015-02-01 às 09.57.04

A) imagens de queratinócitos transplantados isoladamente ou em combinação com células de rato dérmicas neonatal (MDC), HDP, hESC-DP, hESC diferenciadas no soro por 14 dias (hESC de soro), células da crista neural derivadas de células embrionárias humanas (hESC-NC) e hESC-NC diferenciado para DP por 7 dias (hESC-DP 7 dias). Pêlos (B) Quantificação induzidas por queratinócitos transplantados sozinho ou em combinação com MDC, ou células estaminais embrionárias humanas HDP-DP. (C) Dinâmica do cabelo para capacidade indutiva de células ESC-DP com o tempo de diferenciação de células estaminais embrionárias humanas-NC (dia 0) mostrados como número de cabelos formados por transplante (tendência visualizado pela linha vermelha) ou hESC diferenciado em presença de soro (azul diamante) em comparação com os queratinócitos sozinho (visualizada pela linha a tracejado). Todos os dados estão representados como a média ± SEM e foram analisados com uma via (teste de Kruskal-Wallis, teste post Comparação Múltipla de Dunn) ANOVA. *, P ≤ 0,05; **, P ≤ 0,001. Barras de escala de 1 mm.

O próximo passo, diz Dr. Alexey Terskikh, membro do time de cientistas que ajudou na pesquisa, será encontrar um parceiro para financiar uma pesquisa de larga escala em humano.

Fonte: Gnedeva K, Vorotelyak E, Cimadamore F, Cattarossi G, Giusto E, et al. (2015) Derivation of Hair-Inducing Cell from Human Pluripotent Stem Cells. PLoS ONE 10(1): e0116892. doi:10.1371/journal.pone.0116892

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s